A sombra é leve

Vejo a silhueta, mas não vejo a cor. A cor vem da luz. Ela abre horizontes, abre perspectivas, amplia. A luz identifica, ao mesmo tempo revela e desfoca. Mas a sombra… ela traz o olhar para o que importa, sem entregar. A sombra preserva o mistério da sabedoria profunda. A sombra, assim como as cinzasContinuar lendo “A sombra é leve”

A leveza do movimento

A beleza leve que o movimento faz, como uma dança cuja música apenas se intui de passagem. Parece que o beija-flor é um mensageiro. Tem as asas de mercúrio, a divindade do vento, e a velocidade necessária no gesto. Não me deixe só seu beijo, diga seu nome. Assim, repetido no ar, o eco meContinuar lendo “A leveza do movimento”

Tempo é Liberdade

Certa vez ouvi um amigo ridicularizando o ato de pensar comum em detrimento do pensar filosófico, na esteira da música de Caetano Veloso, onde ele diz “só é permitido filosofar em alemão”, numa inversão de valores e vestindo a carapuça. Ainda há esse viés popular de que pensar é para os fortes, para alguns queContinuar lendo “Tempo é Liberdade”