De olhos fechados

Ela tinha apenas noventa anos bem vividos. Nada mais. E nesse pouco de história, como se fosse ao cabeleireiro fazer as unhas ou o cabelo, ela ia desfiando o tecido da memória refazendo-o em outras vestes. Assim, a cada vez mais bonita, ou mais alegre, ou mais amarelo que vermelho. Assim, no encontro do queContinuar lendo “De olhos fechados”

Eu não sei o que é ser mãe

Eu não sei o que é ser mãe. No máximo, escrevi um livro, plantei muitas árvores, criei cães e gatos, hoje ainda os crio. Eu não sei o que é levantar no meio da madrugada pensando se o termômetro podia estar errado, que está tudo bem na sua espera sem fim, ou se agiu certoContinuar lendo “Eu não sei o que é ser mãe”

A magia está em todo lugar

Ele estava pastando, absorto de mim. E eu queria sua atenção. Então, sem cerimônia, eu o chamei. Levantou a cabeça olhando diretamente pra mim, relinchou e sustentou o olhar. A natureza é abundância, é cura, mas acima de tudo é magia. Uma luz, um olhar, uma conexão. Num rápido instante. Num piscar de olhos. EContinuar lendo “A magia está em todo lugar”

Minha casa tem quintal

Minha casa tem quintal onde passeia o colibri. Onde passeiam as abelhas e passeia o meu olhar. Minha casa tem cachorros que pulam em cima da gente, pulam em cima de todos, e lambem e latem desgovernados. Que amo e me amam de uma forma impressionante. E minha casa tem dois gatos que dormem preguiçososContinuar lendo “Minha casa tem quintal”

A mulher e o mar

Ela se deixou molhar logo na primeira onda, tal a ansiedade com que chegou no mar. Ela nascera do sal, crescera nas ondas, fora feita de maresia e pulsava nas marés. Como pudera ficar tanto tempo longe assim? Como suportara esses anos todos a ausência dessa brisa úmida e fria? Sequer esperou as respostas eContinuar lendo “A mulher e o mar”

Tempo é Liberdade

Certa vez ouvi um amigo ridicularizando o ato de pensar comum em detrimento do pensar filosófico, na esteira da música de Caetano Veloso, onde ele diz “só é permitido filosofar em alemão”, numa inversão de valores e vestindo a carapuça. Ainda há esse viés popular de que pensar é para os fortes, para alguns queContinuar lendo “Tempo é Liberdade”