A leveza do movimento

A beleza leve que o movimento faz, como uma dança cuja música apenas se intui de passagem. Parece que o beija-flor é um mensageiro. Tem as asas de mercúrio, a divindade do vento, e a velocidade necessária no gesto. Não me deixe só seu beijo, diga seu nome. Assim, repetido no ar, o eco meContinuar lendo “A leveza do movimento”

Amor incondicional

Que nome os animais dariam para significar o que sentem por nós, humanos? Nós que somos animais esquecidos das origens, que não nos reconhecemos animais. Pelo que nos chamariam pelo olhar que sabe, que entende, que sustenta? Talvez complacência, talvez um pouco de tédio mal disfarçado, mas amor sem dúvida. amor quase disfarçado de perplexidade,Continuar lendo “Amor incondicional”

De olhos fechados

Ela tinha apenas noventa anos bem vividos. Nada mais. E nesse pouco de história, como se fosse ao cabeleireiro fazer as unhas ou o cabelo, ela ia desfiando o tecido da memória refazendo-o em outras vestes. Assim, a cada vez mais bonita, ou mais alegre, ou mais amarelo que vermelho. Assim, no encontro do queContinuar lendo “De olhos fechados”

Eu não sei o que é ser mãe

Eu não sei o que é ser mãe. No máximo, escrevi um livro, plantei muitas árvores, criei cães e gatos, hoje ainda os crio. Eu não sei o que é levantar no meio da madrugada pensando se o termômetro podia estar errado, que está tudo bem na sua espera sem fim, ou se agiu certoContinuar lendo “Eu não sei o que é ser mãe”

A mulher e o mar

Ela se deixou molhar logo na primeira onda, tal a ansiedade com que chegou no mar. Ela nascera do sal, crescera nas ondas, fora feita de maresia e pulsava nas marés. Como pudera ficar tanto tempo longe assim? Como suportara esses anos todos a ausência dessa brisa úmida e fria? Sequer esperou as respostas eContinuar lendo “A mulher e o mar”

Não tente me salvar

Não tente me salvar. Quero viver tudo que há para viver. Quero ter meus próprios erros sem me preocupar com quantidade. Quero, sobretudo, errar muito, tantas vezes precisar. Traçar o caminho invisível do meu sonho. Depois, pisar as pedras que houver para pisar. Quero ir fundo no fundo de tudo. Doer até a última veiaContinuar lendo “Não tente me salvar”

No Final do Mundo

No final do mundo nos encontraremos, com um pouco de sorte, com um sorriso no rosto. Sempre é muita sorte encontrar um sorriso no rosto quando o mundo acaba. Mas, se assim for, nosso encontro será diferente dos outros todos de nossas vidas, porque será definitivo. Nada é definitivo na vida, nada é tão supremoContinuar lendo “No Final do Mundo”