P & B – faça-se luz!

Gosto de PB por sua dramaticidade… pela luz e pela forma como concentra a atenção… A luz parece dirigir o olhar sem forçar nada, como a água que escorre, como a vida é… E a vida vibra, permeia a dureza da pedra, acalma o peito ansioso, faz girar no seu tempo, do seu jeito, aContinuar lendo “P & B – faça-se luz!”

As bruxas estão de volta

As bruxas estão de volta. Agora voando soltas e leves pelas aldeias físicas e virtuais. Isso mostra que as coisas andam mudando para o lado do feminino, embora haja um nítido movimento de reatividade. É que o feminino, diferentemente do masculino, não é contundente, não compete, não entrincheira nem revida. Claro, o verdadeiro feminino. MasContinuar lendo “As bruxas estão de volta”

A leveza do movimento

A beleza leve que o movimento faz, como uma dança cuja música apenas se intui de passagem. Parece que o beija-flor é um mensageiro. Tem as asas de mercúrio, a divindade do vento, e a velocidade necessária no gesto. Não me deixe só seu beijo, diga seu nome. Assim, repetido no ar, o eco meContinuar lendo “A leveza do movimento”

Amor incondicional

Que nome os animais dariam para significar o que sentem por nós, humanos? Nós que somos animais esquecidos das origens, que não nos reconhecemos animais. Pelo que nos chamariam pelo olhar que sabe, que entende, que sustenta? Talvez complacência, talvez um pouco de tédio mal disfarçado, mas amor sem dúvida. amor quase disfarçado de perplexidade,Continuar lendo “Amor incondicional”

De olhos fechados

Ela tinha apenas noventa anos bem vividos. Nada mais. E nesse pouco de história, como se fosse ao cabeleireiro fazer as unhas ou o cabelo, ela ia desfiando o tecido da memória refazendo-o em outras vestes. Assim, a cada vez mais bonita, ou mais alegre, ou mais amarelo que vermelho. Assim, no encontro do queContinuar lendo “De olhos fechados”

Eu não sei o que é ser mãe

Eu não sei o que é ser mãe. No máximo, escrevi um livro, plantei muitas árvores, criei cães e gatos, hoje ainda os crio. Eu não sei o que é levantar no meio da madrugada pensando se o termômetro podia estar errado, que está tudo bem na sua espera sem fim, ou se agiu certoContinuar lendo “Eu não sei o que é ser mãe”