Destemperotempo

Tenho cozinhado o tempo para ver se ele fica mais flexível. Um pouco mais macio deste lado do equador, no alto das montanhas chorosas. Chorosas, mas sem jamais olhar para trás posto que estátuas de sal não têm muito tempo de vida cozinhando molemente.

Agora, faço dele uma conserva, fecho bem o pote para não perdê-lo nunca. Mas também, quem tem medo de perder? Perder faz parte, largar pelo caminho faz parte, esquecer faz parte. E todas as partes reunidas não fazem o inteiro novamente.

Depois, consuma com moderação, apreciando cada bocado a cada vez. Encha a boca e espere antes de atracar os dentes. O tempo pede tempo para se acostumar ao gosto, inicialmente amargo, adocicando aos poucos até melar a memória, que fica linda e perfumada se ainda for contada. Contar o tempo faz parte de cozinhá-lo. Mas contar assim, ao pé do ouvido, distraidamente.

Assim, modestamente, tenho tido mais tempo para viver os cantos e encantos destas paragens. Modestamente, digo, pois que fui deixando os adjetivos para ir unindo substantivo a substantivo sem ligar para verbos em pessoa inexistente. O tempo voa nessas ocasiões e pegando carona, desde que não enjoe, você ainda vai conseguir ver o rio virando a curva antes de cair em cachoeira. É assim que é. E haja pedra para espirrar espuma branca para todo lado.

O tempo come-se in natura quando se tem estômago forte. Destes estômagos habituados a fortes emoções, que deglutem tudo tão rápido que não lembra nem o que foi engolido. O risco, nesse caso, é de muita proteína e pouca memória. O que foi mesmo que você disse? Mas quando você disse isso? Você disse isso para mim? Muito tempo cru assim pode afetar demais seu julgamento de valor.

Por esse motivo e não por outro, dei para cozinhar o tempo todo. Faço vários pratos, poucos enfeites, e, no máximo, uns três outros ingredientes. Misturar demais também complica o conhecer e reconhecer. Nada de liquidificador, nada de processador, nada de batedeira, tudo à mão, pois que melhora sobremaneira o entendimento das coisas. E na maior parte das vezes, a receita de cabeça, de cor, de lembrança; outras, alguns fragmentos de conversas ouvidas enquanto passava o tempo à toa.

Outra preocupação, não deixar passar o tempo demais, pois que fica sonso. Quanto mais perfume no ar, menos na panela, essa é uma certeza. Quanto mais vapor, menos água. Há que ter calma, mas sem nunca perder o foco jamais. Sirva como preferir, quente ou frio, conforme a ocasião. Acompanhado é melhor e se não der, aproveite assim mesmo.

Publicado por fe kurebayashi

alquimista de sabores e das palavras.... selvagem como toda mulher deve ser!

2 comentários em “Destemperotempo

  1. Pois esse tempo todo por essas estradas sem saber que habitava a poesia nos potes e que o tempo furtivamente espreitava minha ignorância. Texto incrível.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: