A felicidade não é uma ilha

A praia me parece infinita. Para todo lado água, para todo lado areia. Andando, vou marcando o caminho com minhas pegadas, pés descalços, destemidos. Vou caminhando olhando para o horizonte sem fim. Tanta liberdade e tantas possibilidades, que até parece que caminho para lugar nenhum.

Recolho algumas conchas, galhos retorcidos, algas coloridas. Um caranguejinho corre para a água. Acompanho com a cabeça. Parece que de repente, no horizonte, surge uma ilha. Olho com atenção, parada, e uma onda inesperada me atinge em cheio.

Algumas conchas se vão com a onda que já retorna para o mar, e me molho um bocado, refrescante. Alguém passa correndo, espirrando o resto da onda que não me atingiu, e o vento espalha toda água levantada. Quem passou? Eu conheço? Eu não vi. Estava entretida demais olhando o horizonte tentando desvendar o mistério longínquo, e só me dei conta da água respingando, do vento cobrindo meus olhos com os cabelos.

Olho de novo, não está mais lá. Se foi. Uma ilha não se vai. Terei visto realmente? Era um barco? Estará encoberta pela maresia? Sem resposta, firmo o olhar. Onde? Ali onde gaivotas revoam. Ali onde uma nuvem toca o mar. Não sei mais. Perdi.

Volto a caminhar pela areia. Vou distraindo novamente, chutando areia com os dedos dos pés. Então, está lá outra vez, a ilha. Sigo com o corpo a direção que os olhos apontam. Sigo com o corpo entrando na água, agora sem me importar com as ondas que insistem em vir aos montes, aos transbordões. Já deixei as conchas caírem, já abandonei os galhos, levados pelas ondas, já estou nadando de braçada sem perder de vista a ilha. Ela aumenta aos poucos, parecendo mais próxima.

Não olho para trás, mas já passei a arrebentação e estou seguindo num correnteza que parece querer me ajudar no percurso. A ilha cada vez mais próxima, maior, mais atraente.

Então, como se fosse uma armadilha, ela me fisga, as ondas carregam meu corpo para sua praia, arremessada na areia. Recupero o fôlego, os músculos trêmulos do esforço, recompensados com a chegada. Tudo em volta é areia e mar. Para além da praia, uma mata que começa baixa e sobe em árvores, rochas, me impedindo de ver o outro lado.

Onde cheguei? Para a vida que almejei? Para o sonho que me impulsionou até agora? Para a felicidade? Não sei dizer. Tudo parece igual. Tudo parece o mesmo. Olhando atenta, parece que voltei para a praia de onde saí. Se procurar com atenção, acho as conchas que joguei na areia antes de me atirar ao mar.

Os braços e pernas ainda tremem pelo esforço. O cansaço é visível no peito. A alegria que me encontrou de eu ter atingido a ilha, agora parece um sorriso bobo na boca. Onde estou? Não cheguei? Foi em vão?

Olho de volta para o lugar de onde vim. Olho e é uma ilha no horizonte.

Publicado por fe kurebayashi

alquimista de sabores e das palavras.... selvagem como toda mulher deve ser!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: